Seg - Sex / 09:00 - 17:00 - Atendimento | Chamadas & WhatsApp: (43) 3524-4855
Alternar Nav
Meu Carrinho
Fechar
  • Menu
  • Minha Conta

Ficha Técnica

TRIHYDRAL C.D – Landi, Flávio


1 - O PRODUTO:

Produto sem similar no mercado formulado como dentifrício em pasta ou colutório.

Utiliza o princípio ativo CLORAMINA – T com excepcionais propriedades anti-sépticas e biocida, que associada a outros compostos confere ao produto propriedades e ações excepcionais.

TRIHYDRAL atua eficazmente como elemento coadjuvante para higiene oral, profilaxia e terapêutica local das mais diversas patologias oro - bucais; devendo ser usado diariamente substituindo creme dentais comuns ou análogos. Atua em procedimentos e pacientes com:

A) Processos inflamatórios, infecciosos, tumefativos e doloroso.

B) Afecções odontoestomatológicas: gengivites, periodontites, implantites, mucosites, ulcerações, glossites, estomatites, aftas, candidíases. Possue ações efetivas no controle do desenvolvimento e na desorganização da placa bacteriana supragengival, subgengival e interdental.

C) Inflamações, ação Antiinflamatória atuante sobre sistemas vaso motores na inflamação das mucosas oro-bucais promovendo rápida descompressão com drástica redução do edema e sangramento gengival, através da inibição da enzima histidina descarboxilase precursora da histamina.

D) Lesões – age como Indutor da reepitelizaçao do tecido das mucosas orais, é promotor de rápida cicatrização.

F) Infecções – a Cloramina -T é extremamente eficaz no controle dos microorganismos patogênicos.

G) Pacientes com alto risco de cáries e/ou na profilaxia e terapêutica das mesmas. É cariostáticos para a cárie e bactericidas para seus agentes.

H) Hiperestesias (hipersensibilidade dentinária) célere dessensibilizante, promove rápido selamento dos canalículos dentinarios. Possui ótimo efeito dessensibilizante da hipersensibilidade dentinária, pois coagula superficialmente a muco proteína presente no interior dos canalículos dentinários que envolvem as Fibras de Thomes (prolongamentos odontoblasticos) impedindo que estímulos físicos, químicos e tácteis sejam transmitidos às terminações nervosas da polpa dental.

I) Usuários de próteses e dispositivos ortodônticos móveis ou fixos. Por ser básico equilibra o pH bucal controla os efeitos das bactérias acido gênicas e neutraliza o quadro de degradação dos hidratos de carbono impedindo fermentações, saponifica os ácidos graxos presentes na matéria orgânica de modo a formar sais de ácidos graxos (sabão) e glicerol (tri álcool) atuando profundamente como agentes de limpeza.

J) Halitoses rebeldes, rápida desodorização e controle das bactérias odorigênicas. Reage com a matéria orgânica da saburra provocando sua desagregação, combate as bactérias odorigênicas promovendo desodorização oro - bucal eliminando o mau hálito, é necrolíticos, ou seja, dissolve os tecidos necrosados. A retrospectiva da literatura elucida que a ação de dissolução tecidual orgânico é devido aos íons dissociados, os quais atuam sobre as proteínas dos constituintes realizando a hidrólise.

K) Tártaros, pela ação de Polifosfatos promove o seqüestro de íons minerais supra e subgengivais com conseqüente esboroamento e desintegração da estrutura mineral.

L) Clareamento dental, os íons da Cloramina -T branqueiam o esmalte dentário através do seqüestro das partículas de pigmentos incrustados na Hidroxiapatita, a maneira de um alvejante.

M) Afecções otorrinolaringológicas: amidalites, faringites, laringites.

N) Higiene oral e benefícios para a saúde oral e sistêmica nos “pacientes com necessidades especiais (PNE)” com dificuldades de higienização e ou desmotivados para isso.

O) Pacientes sob internação em Hospitais e U.T.I.S.

P) Indivíduos imunologicamente e/ou medicamentosamente comprometidos predispostos a infecções orais, como aidéticos.

Q) Pacientes de ONCOLOGIA submetidos ou não a radio e ou quimioterapia.

R) Diabetes - o Diabete Melito é um fator de importância na incidência e prevalência da doença periodontal, assim como a doença periodontal pode ter influência sobre o controle metabólico do diabete. A profilaxia e o tratamento periodontal parecem contribuir para a melhoria do controle glicêmico de indivíduos diabéticos e com doença periodontal. (32)

S) Irrigação e/ou bochecho na assepsia do pré e pós-operatório de procedimentos cirúrgicos intra-orais: gengivectomias, gengivoplastias, implantes, exodontias, profilaxia dos alvéolos, amidalectomias, fraturas de mandíbulas, fixação mandibular, cistos maxilares, calculoses salivares, ulcerações traumáticas acidentais, etc.

T) Redução de bacteremias pós cirúrgicas e pós exodontias.

U) Redução da patogenicidade dos aerosóis formados pelo spray da caneta na intervenção clínica.

V) Trihydral atua como preventivo – para as infecções orais, sinusites, cardiopatia, aterosclerose. Infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, ateromas, meningites, pneumonias, pleurites, artrites, reumatismos, nefrites, partos prematuros, baixo peso em recém nascidos, disfunções mastigatórias com conseqüentes cefaléias, dores no pescoço e regiões próximas, entre outras mazelas sistêmicas.

X) Trihydral é auxiliar curativo higienizador e evita recidivas das afecções oro - bucais sem, contudo interferir no equilíbrio da micro biota bucal, mas sim atenuando os efeitos nocivos e prejudiciais das bactérias potencialmente patogênicas através de seu controle quantitativo e da desorganização da placa como agente etiopatógeno.

Y) Excelente tolerância em contato com a mucosa, mesmo em afecções graves, devido a sua formula e pH básico.

Z) Trihydral pode e mesmo deve ser usados substituindo dentifrícios ou enxaguatórios normais na assepsia bucal diária, e no controle das patologias agudas e crônicas.

.

.

MODO DE AÇÕES DO TRIHYDRAL COMPOSTO PELO AGENTE ANTI-SÉPTICO E BIOCIDA CLORAMINA – T E SEUS ADJUVANTES.

TRIHYDRAL – AGE DESCONTRUINDO A DOENÇA PERIODONTAL INSTALADA.

.

Por ser um agente iônico, pela sua alta capacidade de controle dos agentes patogenos e ação antiinflamatória, tem um grande poder de penetrar em biofilme e inativar suas bactérias desorganizando, desagregando e inativando a ação patogênica da placa supra gengival e sub gengival.

Atua eficientemente sobre fenômenos vasomotores na inflamação da gengiva e mucosas oro - bucais promovendo rápida descompressão e diminuição de edemas e sangramentos através da inibição da enzima histidina descarboxilase precursora da histamina e ainda agindo como um imunomodulador, promovendo rápida epitelização e cicatrização dos tecidos, permitindo um acesso profundo da Cloramina –T às áreas que contem placa sub gengival, favorecendo sua atuação e criando uma oportunidade de higienização mecânica e ação do antitartaro e coadjuvantes, desencadeando por conseqüência ação regeneradora dos tecidos e reparação das lesões.

A Sulfonamida estrutura molecular da Cloramina T, que é semelhante ao ácido p-aminobenzóico (PABA), possui a capacidade de interferir com os processos metabólicos das bactérias que necessitam de PABA atuando como agente antimicrobiano afetando o crescimento bacteriano e sua atividade, semelhante a uma classe de drogas medicamentosa, “SULFA” ; (33)

A Cloramina T à maneira dos “taninos precipitam as proteínas dos tecidos lesados, formando um revestimento protetor que favorece a sua regeneração” (34) e inibe injurias microbianas e mecânicas.

Estas ações permitem que o organismo reverta e reconduza o processo infeccioso, inflamatório e degenerativo à normalidade.

  • Por tudo isso oferece resultados efetivos na profilaxia e tratamento de afecções oro - bucais, gengivites, periodontites e todas suas manifestações, das ocorrências crônicas graves como bolsas periodontais e mobilidade dentária, a mais simples hiperemia, com resultados terapêuticos admiráveis e surpreendentes, pois agem eliminando a causa, estimulando a cicatrização, acelerando o processo de regeneração dos tecidos lesados, rejuvenescendo as fibras do ligamento alvéolo-dental promovendo a higidez dos elementos dentais.


TRIHYDRAL age rapidamente e após seu uso os sintomas e manifestações das reações imunológicas e inflamatórias regridem em 24 a 72 horas o que facilita muito a intervenção clínica e cirúrgica. A CLORAMINA – T foi defendida como adjuvante cirúrgico periodontal, (30) e quando as cirurgias são precedidas do uso do produto na terapêutica e/ou anti-sepsia os resultados comprovam que a regeneração tecidual processa-se com maior

rapidez, facilidade e são diminuídas em muito a ocorrência de bacteremias pós-cirúrgica. (31) As vantagens clínicas para o paciente também podem ser provadas, por um pós-operatório menos doloroso, que passa a ser mais bem tolerado; o edema pós-operatório é insignificante ou ausente quando comparado com casos em que não se utilizam Trihydral previamente. Alem destas vantagens, o campo cirúrgico apresenta-se anti-sepsiado e em muito melhores condições durante o ato cirúrgico, pois o uso do produto diminui em muito o sangramento e tempo operatório.

.

Recomenda-se a adoção de uso diário do Trihydral com Cloramina - T

em substituição aos cremes dentais e colutorios comuns ou análogos.

.

2 - ATRIBUTOS DO AGENTE ANTI-SÉPTICO CLORAMINA – T

Eficácia contra microorganismos: a Cloramina-T é um sal, N-Chloro-para-Toluenosulfanamide de Sódio C7H7ClNNaO2S que quando em solução aquosa se ioniza, formando íons de CloraminaT: CH3-C6H4-SO2-NCL (99.6%) (11) Gottardi calculou a composição teórica de uma solução aquosa de Cloramina – T e concluiu que existe o seguinte equilíbrio: (R= CH3-C6H4-SO2)


R-NClNa<= =>R-NCl- + Na+ (ion de Cloramina –T + sódio)

R-NCl- + H+ <= =>R-NHCl (acido de Cloramina –T)

2 R-NHCl <= =>R-NH2 + R-NCl2 (para-toluenosufonamide + Dicloramina –T)

R-NCl2 + H2O <= =>R-NHCl + HOCl (ácido de Cloramina –T + ácido Hipocloroso)

HOCl<= =>OCl- + H+ (ion Hipoclorito +hidrogênio)

R-NCl- + H2O<= =>R-NH2 + OCl- (para- toluenosulfanamide + ion hipoclorito)

R-NCl- + H2O<= =>R-NH2 + O + Cl- (para-toluenosulfonamide + oxigênio livre + ion cloro)

.

De acordo com este equilíbrio, sete combinações diferentes podem estar presentes em uma solução de Cloramina – T e estima que estas moléculas representam mais de 99.99% da quantia total de Cloramina –T na solução.(13)

Por isso a Cloramina –T age à semelhança de um produto nano particulado, porem com maior efetividade por se tratar de íons de Cloramina -T, partículas consideravelmente menores. Isto confere ao principio ativo uma excelente capacidade de penetração ao agir permeando paredes celulares e tecidos afetados, acessando irregularidades, interposições, superfícies e interiores dos diversos tecidos orais, espaços interdentais, espaços periodontais e bolsas sub gengivais, permitindo uma interação profunda, com os microorganismos que se desenvolvem não somente nas superfícies e irregularidades mas igualmente no interior de tecidos e túbulos dentinários.

Nestas condições a maior vantagem para os pacientes encontra-se na maior capacidade de ação do princípio ativo, o que permite o uso de doses até 75% menores, fazendo efeito similar a dosagens plenas e permitindo maior eficiência e menor concentração na dosagem reduzindo de formas significativas, possíveis efeitos colaterais tornando o produto mais seguro.

Estas condições impares permite rapidez e eficácia em suas ações no controle das afecções oro - bucais.

Entre estas ações a Cloramina – T age por ação biocida através de reação oxidativa e de hidrólise protéica, reagindo com o material orgânico dos micro-organismos vivos de qualquer tipo, penetrando e/ou rompendo as paredes celulares das bactérias: Gram positivas, Gram negativas, fungos, vírus, mico bactérias, levedos, em forma vegetativa (esporos) ou não, com que entra em contato, destruindo o material celular ou interrompendo processos essenciais conduzindo à destruição inevitável delas/deles. Esta reação oxidativa e de hidrólise protéica mata os micro-organismos tanto em ambiente aeróbio como anaeróbio muito rapidamente, mesmo em baixas concentrações.

Por causa da irreversibilidade da reação oxidativa e de hidrólise não há nenhuma possibilidade dos microorganismos criarem resistência ao princípio ativo. (13)

Seu equivalente anti-séptico é igual a 4,6 grs., podendo, pois, figurar entre as substâncias fortemente anti-sépticas. Buckley considera-a com poder anti-séptico quatro vezes superiores ao dos hipocloritos, e acrescenta que na presença de sangue é mais ativa que o Líquido de Dakin, tendo poder anti-séptico mais duradouro. (14)

  • Micro-organismos contra os quais a Cloramina -T provou ser ativo.

  • Bactérias Vírus Fungos Algas Leveduras Parasitas


Bactéria

Acinetobacter spp

Escherichia coli

Salmonella durban

Actinobacillus pleuropneumoniae

Flavobacterium branchiophilum

Salmonella livingstone

Aeromonas hydrophila

Flavobacterium haematocrits

Salmonella newbrunswick

Aeromomas salmonicida

Klebsiella pneumoniae

Salmonella newport

Alcaligenes faecalis

Listeria monocytogenes

Salmonella oranienburg

Bacillus antaecis

Micrococcus avium

Salmonella paratyphi B

Bacillus anthracis

Micrococcus citreus

Salmonella pullorum

Bacillus cereus

Micrococcus pyogenes

Salmonella rostock

Bacillus diphteria

Moraxella spp

Salmonella senftenberg

Bacillus dysentery

Mycobacterium avium

Salmonella thompson

Bacillus mesentericus

Mycobacterium lacticola

Salmonella typhimurium

Bacillus subtilis spores

Mycobacterium minetti

Sarcina lutea

Bacillus subtilus

Mycobacterium pellegrino

Shigella boydii

Bacillus tuberculosis

Mycobacterium phlei

Shigella sonnei

Bacterium enteritidis Gaertner

Mycobacterium piscium

Staphylococcus aureus

Bacterium paratyphi

Mycobacterium smegmatis

Staphylococcus aureus haemolyticus

Bacterium rhusopatheae

Mycobacterium vole bacillus

Staphylococcus bag

Brucella abortus bang

Pasteurella

Staphylococcus paratyphosa B

Brucella suis

Pediococcus cerevisiae

Staphylococcus pyogenes

Clostridium welchii

Proteus mirabilis

Streptococcus agalactiae

Clostridium sporogenes

Proteus vulgaris

Streptococcus faecalis

Clostridium bifermentas

Pseudomonas aeruginosa

Streptococcus faecium

Clostridium tertium

Pseudomonas fluorescens

Vibrio alginoliticus

Clostridium histolyticum

Pseudomonas fragi

Vibrio anguilarum

Clostridium caloritolerans

Pseudomonas putida

Vibrio cholerae

Enterobacter aerogenes

Pseudomonas putrefaciens

Vibrio harveyi

Enterobacteriaceae Citrobacter

Pseudomonas pyocyanea

Vibrio parahaemolyticus

Enterobacteriaceae Hafnia

Pseudomonas tolaasii

Vibrio salmonicida

Enterobacteriaceae Klebsiella

Pyocyaneus

Yersinia enterocolitica

Enterobacteriaceae Kluvera

Salmonella anatum

Yersinia pseudo-tuberculosis

Enterobacteriaceae Serratia

Salmonella dublin

Yersinia ruckerii

Enterococcus faecium

.

Vírus


Adenovirus

Fowl pox virus

Poliovirus

African swine fever virus

Gumboro Disease virus

Porcine parvovirus

Aujeszky Disease virus

Hepatitis B virus

Pox virus

Avian reovirus

Hepatitus contagiosa canine virus

Pseudo Bird Pest virus

Canine parvovirus

Herpes virus

Rabies virus (fixed)

Celovirus

Human Immuno-Deficiency virus (HIV)

Reovirus

Classical swine fever virus

Human rotavirus

Retro virus

Corona virus

Infectious bronchitis virus

Rhino pneumonic virus

Coxsackie virus

Infectious bursitis virus

South African Pest virus

Diphteria virus

Infectious pancreatic necrosis

Swine fever virus

Ektromelie virus

Influenza virus

Systematic ectodermal and mesodermal

Encephalomyocarditis virus

Irido virus (ASFV)

Aculo virus (SMBV)

Enteric cytopathogenic bovine orphan virus

Myxomatosis virus

Teschen virus

(ECBO)

New Castle Disease virus

Toga virus

European swine fever virus

Orthopox commune virus (vaccinia)

Vaccinia virus

Foot and Mouth Disease virus

Paramyxo virus

Vesicular Swine Disease virus

Fowl plague virus (NCD)

Picorna virus

White spot disease virus (SMBV)


Fungos


Aspergillus amstellodami

Microsporum gypseum

Algas

Aspergillus flavus

Myrothecium verrucaria

Anabaena cylindrica

Aspergillus fumigatus

Oöspora lactis

Chlorella vulgaris

Aspergillus niger

Paecillomyces variotii

Oscillatoria tenuis

Aspergillus versicolor

Penicillium funiculosum

Skeletonema sp.

Chaetomium globosum

Penicillium verruccosum

Stigeoclonium sp.

Cladosporium cladosporoides

Saprolegnia parasitica

Tetraselmis sp.

Entomophthora destruens

Trichoderma viride

Leveduras

Entomophthora thaxteriana

Trichophyton equinum

Candida albicans

Entomophthora virulenta

Trichophyton mentagrophytes

Cryptococcus spp

Epidermophyton floccosum

Saccharomyces cerevisiae

Microsporum canis

Saccharomyces diastaticus

Parasitas : Epistylis Girodactilus salaris Ichtyobodo necator Ichtyophthiriu

.

3. POSSUIR SUBSTANTIVIDADE: O fato de a molécula possuir carga aniônica e ainda de em solução aquosa se dissociar em elementos iônicos, confere a Cloramina - T uma considerável substantividade, fornecendo uma proteção prolongada por adsorver ao biofilme bacteriano, a matérias orgânicas e estruturas bucais, sendo liberado lentamente no ambiente bucal, pois seu mecanismo de ação é ativado na presença de microorganismos, lançando grupos ativos em proporção à demanda (13) mantendo condições bacteriostáticas e biocidas na saliva e na própria placa dental por tempo considerável. Quando aplicada em terapêutica comporta-se como um anti-séptico de ação prolongada, podendo chegar a ser útil durante 24 horas. (15)

A Cloramina-T é um anti-séptico oral que exercem um forte efeito sustentável por pelo menos uma hora após aplicação e um efeito de ação decrescente por até 24 horas, sendo um agente indicado para usar em pessoas imunosuprimidas (pacientes submetido à quimioterapia) que se beneficiem de uma contínua redução da flora bacteriana na cavidade oral. Contudo pode também ser usado se somente um efeito imediato é desejado ex. antecedendo cirurgias ou extração dentaria. (16)

Adsorve-se fortemente sobre a hidroxiapatita das estruturas dentais pela interação eletrostática entre as cargas negativas dos íons de CLORAMINA -T e as cargas positivas dos íons cálcio da apatita e ainda sobre as estruturas de carbono formadoras de compostos orgânicos, presente nos microorganismos e matérias orgânicas da placa bacteriana. Age com desadsorção lenta destas superfícies tendo, assim, tempo de contato suficiente para agir sobre a microbiota existente, com ação bacteriostática e biocida, mantendo a inibição de formação e/ou crescimento da placa por um período prolongado e também causando desorganização da placa já existente.

.

4. ESTABILIDADE: O agente anti-séptico CLORAMINA – T usado neste sistema tem uma estabilidade notável em solução aquosa e quando devidamente formulada, até mesmo a temperaturas elevadas, 60ºC, e decompõem-se lentamente em temperatura ao redor e acima de 70ºC. Testes resultam que uma solução a 5%, armazenada em um recipiente opaco a 25ºC, após 210 dias menos de 0,05 % da atividade está perdida por decomposição. Soluções a 0,5% após 30 dias a 40ºC, somente 0,01% está decomposto. Quando exposto em ambientes com matéria orgânica e microorganismos, após 24 horas aproximadamente a metade ainda está ativa. Os íons são altamente estáveis e permanecem ativos por um longo período de tempo. (13)

.

5. SEGURO PARA EXPOSIÇÃO EM SERES HUMANOS: Não é tóxico, irritante para pele, olho e mucosas, em particular bucais, nas doses indicadas para uso.

.

Informações Toxicológicas

.
Intoxicação Aguda - LD50 oral rato- 1000 mg/Kg

Inalação - LC50 rato > 0.275 mg/l (4 horas) (max. concentração atingível)

Irritação – Pele, solução a 8% - não irritante.

Olho, solução a 8% – moderadamente irritante.

Solução a 0,5% - não irritante

Genotoxidade Teste de Ames: não mutagênico.

Teste de Micronucleus: não mutagênico

Informação toxicológica subcrônica: toxidade oral em rato, após 90 dias, nível 15mg/Kg/dia-nada se observou. (13).

.

Constata-se através destas informações técnicas, que o agente anti-séptico é extremamente seguro ao ser humano nas doses indicadas de uso nos sistemas ora apresentados.

.

6- COMPARAÇÕES ENTRE O AGENTE ANTI-SÉPTICO E BIOCIDA CLORAMINA – T PRESENTE NO PRODUTO E CLOREXIDINA

Principais desvantagens da Clorexidina: é um composto, base forte e dicatiônica, com as duas cargas positivas em cada lado da ponte de hexametileno fazendo-a extremamente interativa com ânions dificultando a formulação em certos produtos. Interage com detergentes e compostos aniônicos, não podendo ser formulado com os mesmos. (17) É incompatível e inativada por sabões e humores orgânicos. É difícil de ser formulada em dentifrícios convencionais pelas razões já mencionadas. (18)

A Clorexidina não é esporicida, virucida nem ativo contra mico bactérias. (19)

A Clorexidina tem certo número de efeitos colaterais locais. (20) Sendo o mais comum e problemático deles a coloração amarronzada dos dentes, de alguns materiais resinosos de restaurações e próteses, e das mucosas notavelmente do dorso da língua. (21)

É o efeito colateral da pigmentação que limita a utilização em longo prazo da Clorexidina em odontologia profilática e ocorrem em todos os produtos corretamente formulados inclusive géis e spray. (22) A Clorexidina tem um sabor amargo difícil de mascarar e, em muitos indivíduos causa distúrbio de paladar. A gustação do salgado parece preferencialmente afetada, fazendo a comida parecer um tanto sem gosto. (23)

A Clorexidina aumenta a formação de cálculo supra gengival e, embora raramente observado tumefações reversíveis nos lábios e/ou glândulas parótidas e descamações na mucosa oral.(24)

Apesar das excelentes propriedades inibidoras da placa pela Clorexidina, o uso difundido e prolongado do agente é limitado pelos efeitos colaterais locais.

Alem disso, por causa da natureza catiônica da Clorexidina e, conseqüentemente, sua pouca penetrabilidade, o anti-séptico tem um valor muito limitado na terapia de condições orais estabelecidas, incluindo gengivite. (25)

.

7 – As vantagens do Trihydral com o agente anti-séptico Cloramina - T

A Cloramina –T por sua natureza aniônica tem a sua formulação facilitada em produtos farmacêuticos. (13) É compatível com detergentes aniônicos, podendo ser formulados com os mesmos sendo, portanto fácil de obterem-se formulações para dentifrício, colutorios, géis, soluções e cremes por ser compatível com outros compostos que normalmente formam o sistema.

Tem ação biocida para todas as formas de microorganismos, incluindo vírus e mico bactérias, na forma vegetativa, esporulada ou não.

Não apresenta efeitos colaterais locais, e o seu uso nas doses preconizadas nos tem confirmado a ausência de qualquer tipo de efeito colateral no que tange à pigmentação e alterações morfológicas de qualquer estrutura oro - bucal, mesmo quando usada por períodos prolongados, prestando-se por isso como excelente agente profilático, terapêutico e higienizador.

Tem um grande poder, maior que cloro livre de penetrar em biofilme e inativar suas bactérias atua desorganizando, desagregando e inativando a ação patogênica da placa supra gengival e subgengival. (26)

Por sua natureza aniônica, baixa tensão superficial, pode ser associada a outros compostos que implementam sua ação e a eficácia do produto, entre eles; Os surfactantes como o Lauril Sulfato de Sódio, o Flúor como o Monofluorfosfato de Sódio e os Polifosfatos como o Pirofosfato Tetrasódico, que são princípios ativos comprovadamente seguros e muito usados pela indústria farmacêutica, não apresentando efeitos colaterais, alterações morfofisiológicas de qualquer estrutura oro - bucal mesmo quando usados por períodos prolongados, não havendo nenhuma referência de ação carcinogênica, de carcinogênese e/ou risco à saúde em vasta bibliografia consultada e especializada em toxicologia clínica:

O Lauril Sulfato de Sódio, com propriedades: surfactante aniônico, anti-séptico, emulsificante e detergente age amolecendo os depósitos da superfície, emulsionando e suspendendo os resíduos que são então removidos da superfície dentária (27), diminui a tensão superficial, penetra e facilita a penetração e atuação dos outros componentes dos sistemas;

O Flúor, largamente usado como agente anticárie tem ação bacteriostática e de inibição das enzimas bacterianas responsáveis pela glicólise com a conseqüente diminuição da formação de polissacarídeos responsáveis pela adesão e formação da placa com diminuição da acido gene dos ácidos envolvidos no processo carioso.

Os Polifosfatos através de seus íons são de grande utilidade porque formam complexos solúveis com os íons cálcio, ferro, magnésio e manganês e ajudam a manter em suspensão as

partículas formadoras de tártaro dental de maneira que possam ser eliminadas facilmente pela escovação e lavagem, desta maneira prevenindo a sua formação e deposito sobre o dente e/ou promovendo o seqüestro de íons minerais supra e subgengivais com conseqüente esboroamento e desintegração.

As ações destes adjuvantes potencializam o efeito da Cloramina –T permitindo uma maior eficácia sobre afecções oro bucais.

.

Trihydral com Cloramina – T foi objeto de um trabalho científico chamado – Eficácia de um dentifrício contendo CLORAMINA –T na saúde bucal” desenvolvido pelos doutores-professores titulares da USP - Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto SP, Camila Tirapelli, José Paulo Ribas, Heitor Panzeri, Elza Helena Guimarães Lara e mais os Odontólogos Flávio Landi e Hamilton Landi – Apresentado oralmente no congresso Internacional de Novidades científicas de Brisbane, na Austrália em 01 de julho de 2006, promovido pela internacional Association for Dental Researche & American Association for Dental Research.

.

Pela sua comprovada eficácia e por todos os motivos anteriormente citados.

.

Recomenda-se a adoção de uso diário do Trihydral com CLORAMINA - T

em substituição aos cremes dentais e colutorios comuns ou análogos.

.

Trihydral é um produto aprovado pela Associação Brasileira de Odontologia ABO

.

Assista aos vídeos:

http://www.youtube.com/watch?v=F-tINazFvvM

http://www.youtube.com/watch?v=PPp_3GwGB_w

.

BIBLIOGRAFIA

(1)Fischman,S.L.(1992)Hares teeth to fluorides; historical aspects of dentifrice use. In: Embery, G. & Rölla, G., eds. Clinical and Biological Aspects of Dentifrices, Oxford: OxfordUniversity Press, pp. 1-7

(2) Löe et al.Experimental gingivitis in man. J Pperiodontl, v. 36, p. 117-87. 1965

(3) Wunderlich, R. C. et al. The terpeutic effect of toothbrushing on naturally ocurring gingivitis, J Am Dent Assoc, v. 110, n.6, p. 929-31.Jun. 1985

(4) Van Dyke T.E. et al.. What is gingivitis? Current understanding of prevention, treatment, measurement, pathogenesis and relation to peridontitis. J Int Acad Periodontal, v.1,p.000-000,1998

(5) Keiser,J.B. (1994). Non-cirurgical periodontaltherapy. In: Lang,N.P. & Karring. T. eds. Proceedings of the Ist European Workshop on Periodontology London Quintessence, pp. 131-158

(6)Newman, M. G.: Korman, K.S. O uso de antibióticos e anti-microbianos na pratica odontológica. São Paulo, Quintessence, 1997.

(7) Germo, P. et al. The plaque-iinhibitting capacity of 11 antibacterial compounds. J Periodont Res, v. 5. N.2, p. 102-109, 1970

(8) Pillon ,F.P., Avaliação Critica dos Recursos Químicos para o Controle da Placa Bacteriana Supragengival p. 105-116, 2001

(9) Jones,C. G. Chlorhexidine: is it still the gold standart? Peridontal 2000, v. 15. P. 55-62.Oct. 1997

(10) Addy, Martin , Lindhe, Jan., Tratado de Periodontologia Clinica e Implantadologia Oral, cap. 16. P.333-345-1996

(11) W. Gottardi, Arco. Pharm., 325, 377-384, 1992

(12) M. Hahn, H.H. Rüttinger, R. Thamm, Anal. Chim Acta, 289. 35-42, 1994

(13) Akzo Nobel Boletin Tecnical : Halamid the universal desinfectant, 1995

(14) Salles, E. Cunha, Terapeutica , Ed. Scientifica,p.93-95 ,1945

(15) Belissário, P.B., Farmacologia, Introducion a la terapeutica odontológica p.66-68-1951

(16)F.-A. Pitten- A. Kramer, Eur. J. Clin Pharmaco(1999) 55: 95-100. Antimicrobial efficacy of Antiseptic Mouthrinse Solutions.

(17) barkvoll, P., Rolla, g. & Svendsen, A. 1989 Intraction between chlorexidine digluconate and sodiun lauryl sulphate in vivo. Journal of Clinical Periodontology 16, 593-598

(18) Sanz, M. Vallcorba, N., Fabregues, S. Muller, I. & Herkstroter, F. 1994 . The effects of a dentifrice containing chlorexidine and zinc on plaque, gingivitis, calculus and tooth stining. J. of Clinical Periodontology21, 431-437.

(19) Silva, Penildon. Farmacologia. Ed. Guanabara, p. 1146-1150, 1998

(20) Flotra,l. Germo, et.al , Side effects of chlorexidine mouthwashes, Scandinavian Journal of Dental Research,79,p.119-125, 1971.

(21) Eriksen, H. M.., Kantanen, H. & Elligsen, J. E. Chemical plaque control and extrinsic tooth discolouration. A review of possible mechanisms. Journal of Clinical Periodontology. 12, 345- 350- 1985

(22)`Renton-Harper, P. R.., Milson, S., Wade, W. G., Addy, M., Moran, J. & Newcomb, R.G., Na approach toefficacy screening of mouthrinses: studie on a group of French products (II). Inhibition of salavary bactera and plaque in vivo, Journal of Clinical Periodontology 22, 723-727, 1995

(23)Lang N. P., Catalanotto, F.A., Knopfli, R.U. & Antezak, A A A.A , Quality specifc taste impaierment following the aplication of cloroxedine glucanate mouthrinses. Journal of Clinical Periodontology15,43-48, 1988.

(24 ) Flötra , L. et al. Side effects of chlorexidine mouth washes.Scand J. Dent Res, v. 79, p. 119-125, 1971

(25) Addy, M. Chlorexidine compared with other locally delivered antimicrobials. A short review. J. Of Clinical Periodontology 13,957-964. 1986.

(26) Le hevalier M.W., Cawthon C.D., Lee R.G., Environ Microbial 1988. Oct.,54(10):2492

(27) Newbrun, Ernest.Tratado de Cariologia. 2 Ed. P.287-288. 1988

(28) Moorer, W. R.; Wesselink, P. R. Factors promoting the tissue dissolving capability of sodium hipoclorite. Int Endodontic J. v. 15. N. 4, p. 187-196, oct. 1982

(29) Brenan, S.S.M.E. Nutr. Leaper DJ. Diario de infecçào hospitalar JC:id6 8(3): 263-267, 1986 Nov.

(30) Rams , T.E., W. E. , keyes, P. H. and Houward, S. A Lang., Effects of microbiologically modulatech periodontal therapy on advanced adult periodontites. Journal of the American Dental Association.111:p.429-441,1985

(31) Sweet, J.B., Gil, V.J., Nitroblue Tetrazolium, and Limulus assays for bcteremia af the dental extration: efects of topical antiseptics. Journal of the Amercan Dental Association. 96: P. 276.

(32) Periodontal disease and diabete melito type 2, Revista Odonto • v. 17, n. 34, jul./dez. 2009 – Universid. Metodista de São Paulo• 93

(33) (http://www.chemicalland21.com/lifescience/agro/CHLORAMINE%20T.htm)

(34) (Heijmen et al., 1997; Panizza et al., 1998).